quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Seymour Duncan Full Shred (TB-10)


Muita calma nessa hora. Vamos como o estripador londrino - por partes. O site da Seymour diz: “timbre de alta saída para ritmos pesados e riffs velozes. Usado para rock clássico, rock pesado, hip hop, fusion e técnicas agressivas de solo. (...) Oferece controle timbrístico em situações de alto ganho. Menos agressivo que o Duncan Distortion, mais articualdo que o Duncan Custom”.

Esse é um bom começo para descrever o FS. O problema é que essa descrição (a começar pelo nome do captador) sugere que o metal técnico é a única aplicação do captador. Isso é meia verdade. Fiz 3 shows com a minha finada banda de rock’n roll (tocávamos covers de David Bowie, Kinks, Clash e músicas próprias baseadas nesses estilos) com o FS instalado na minha Frankenstrat #1 e os resultados foram muito, muito consistentes e rockers. Mesmo com o ganho estilo AC/CD, bastava recuar um pouco o botão de volume que o timbre ficava satisfatório para tocar Suffragette City (embora deva dizer que uso capacitores de 330 pf no botão de volume com potenciômetro linear, o que ajuda muito). O fato é que o timbre ficava carnudo e dava vontade de descer a mão na guitarra sem um pingo de dó.

O visual do captador é muito invocado: diferenciado por ter todos os pólos de parafuso alen. Ele tem cara de malvado, embora não tenha a cara de tanque de guerra do Invader.

Testei-o em TODAS as minhas guitarras e em nenhuma sequer o timbre ficou menos do que ótimo. Ele responde maravilhosamente às dinâmicas de palhetada e aos controles da guitarra. Entretanto, devo confessar que é com o drive no talo que o FS mostra a cara de verdade. É natural que se faça comparações entre ele e o JB. Mas é aí que entram as pequenas diferenças que podem influenciar você na hora da compra. Eu posso apontar algumas diferenças que podem ajudar:

1- O FS tem médios mais contidos, enquanto que o JB tem aquele paredão de médios que atingem o ouvinte como uma tijolada na orelha. Eu arrisco dizer que os dois têm a saída em milivolts praticamente igual, mas o FS tem um drive mais polido justamente por ter médios não tão esporrentos – mas embora ele não tenha o punch brutamontes do Distortion, os power chords com ele são muito, muito carnudos. Mas talvez exatamente por essa falta de médios, ele apresentou menos notas sustentadas por feedback do que outros humbuckers;

2- Os agudos do FS são mais polidos e redondos, mas que aparecem muito facilmente no meio da sua banda. De qualquer maneira, acho difícil que você recorra ao botão de tone pra alguma coisa com o FS;

3- E eis a característica que mais gostei: como sugere a descrição da Seymour, o FS valoriza muito as técnicas acrobáticas na guitarra - tenha certeza que seus tappings, sweeps, palhetadas-metralhadoras, legatos, duplo twist carpado e contorcionismos aparecem com muita facilidade. Comprei há um mês uma ESP Horizon e ela veio com JB. O JB soa muito bem, mas eu sabia que a guitarra poderia soar melhor. Tentei o Tone Zone, mas percebi que a Horizon timbra macia, então resolvi instalar, um captador que fosse mais cortante, mas não tão esporrento quanto o JB. Um chiclete Ploc Gigante pra quem adivinhar o que eu fiz! Instalei o FS e confesso: minhas palhetadas nunca pareceram tão claras, as notas nunca pareceram tão articuladas e nunca tive um tive de alto ganho tão consistente e com ganho na medida que eu prefiro.

A diversão é garantida e suas notas vão ter uma articulação muito mais natural e redonda. O Full Shred parece ter sido feito para facilitar a vida dos guitarristas de quase todos os estilos. Guitarras feitas com madeiras macias vão agradecer pela instalação do FS. Nunca casei tão perfeitamente um captador com uma guitarra como o FS com a ESP. Para minhas preferências de timbre e articulação, o FS tira 10 com louvor.

- Modelo testado: trembucker

- Preferi usá-lo para: qualquer overdrive carnudo e polido de médio ou alto ganho; técnicas acrobáticas.


- O que me passa pela cabeça quando lembro dos timbres que ouvi: que Seth Lover deve dar uma gargalhada de alegria no seu túmulo a cada power chord da minha ESP.

9 comentários:

Filipe disse...

olhai o rafael! quase me convencendo a optar pelo full shred, mas vou esperar que tu escreva (considere como um pedido) sobre o tao sonhado D-Sonic.

a proposito... mto bom o blog e parabens pela iniciativa. \,,/

josihell disse...

Muito bom o seu blog... Gostei dos reviews até agora... Mandei construir uma guitarra e vou colocar um Super Distortion na ponte e um Fred no braço...
Se possível gostaria de ver um review do Fred...

Muito Bom, parabéns...

Rafael Gomes disse...

Companheiro, o Fred é um dos próximos. Fique ligado. Abraço.

elber disse...

quero depois da uma sacada nessa tua ESP! me empolguei ;<) mas sim o D-sonic seria interessante!

Luis disse...

gostei do blog, voces deviam tentar divulgar mais, e melhorar quem sabe a aparencia!

mais ta muito bom!

Dani disse...

orra cara ta ficando bem massa teu blog
se vc puder cara
eu tava afim de sabe um pouco mais sobre o seymour duncan SH-8 invader
se vc posta um review da um toque na comu do orkut dos duncans

Matheus disse...

Porra, tá do caralho o blog, cara!
Quando der faz um review do JB e Jb Jr. e do Hotrails!

E depois deste post, fiquei bem inclinado em comprar um full shred..aheuha..valeu!

Anônimo disse...

Tenho uma strato. Qual seria o captador seymour duncan que ficaria melhor na ponte? Toco pop/rock..

Pedro Ditz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.